Logo Governo MT

 As máscaras e unidades de álcool em gel foram arrecadadas pela Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (Fepoimt); Programa REM Mato Grosso faz a logística de entrega dos produtos


Marcio Camilo
Assessoria REM MT

 

O Programa REM Mato Grosso disponibilizou veículo para entrega de 3 mil unidades de  álcool em gel e 4 mil máscaras a serem distribuídas em duas terras indígenas e num polo do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Araguaia, como forma de ajudar os povos tradicionais na prevenção a Covid-19. 

Estão sendo entregues mil unidades de álcool em gel (33 caixas) na sede da Associação do Território Indígena Xingu (Atix), em Canarana; mais mil unidades de álcool em gel no polo de saúde do Dsei Araguaia, em Santa Terezinha; e 4 mil máscaras e outras mil unidades de álcool em gel na Terra Indígena 7 de Setembro, situada entre os municípios  de Rondolândia (MT), Cacoal e Espigão D'Oeste, estes últimos pertencentes ao estado de Rondônia.

A equipe está na estrada desde o último sábado (27), percorrendo a região nordeste de Mato Grosso, passando por municípios como Canarana e Santa Terezinha, que fica próximo a divisa com Tocantins, a 1.170 quilômetros de Cuiabá. A previsão é que todos os insumos sejam entregues até quinta-feira (04). 

Os produtos de higiene foram arrecadados pela Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (Fepoimt). No entanto, a entidade estava com problemas de logística  para fazer as entregas devido às distância dos territórios. Ela então encaminhou ofício explicando a situação e solicitando o apoio do REM MT, por meio do Subprograma Territórios Indígenas (STI). 

 


Foto: Assessoria REM MT

 

A partir disso, dois coordenadores do Programa saíram com uma caminhonete da sede da Secretaria de Meio Ambiente (Sema-MT) para entregarem as máscaras e as caixas de álcool em gel, juntamente com os membros da Fepoimt. 

A associação Atix - que irá receber mil unidades de álcool em gel - representa as 16 etnias da TI Xingu (região de Canarana): Aweti, Ikpeng, Kalapalo, Kamaiurá, Kawaiweté, Kisêdjê, Kuikuro, Matipu, Mehinako, Nahukuá, Naruvotu, Tapayuna, Trumai, Wauja, Yawalapiti, Yudja.

Já o polo de saúde do Dsei Araguaia - que também irá receber mil unidades de álcool em gel - fica em Santa Terezinha, no extremo nordeste do estado, e envolve povos como os Tapirapé e os Karajá. 

A Terra Indígena 7 de Setembro,  por sua vez, está localizada nos municípios de Rondolândia (MT), Cacoal e Espigão D'Oeste, estes últimos pertencentes ao estado de Rondônia. Por lá, mais de 1300 indígenas da etnia Surui Paiter irão receber máscaras e álcool em gel. 

A ação está inserida no Plano Emergencial de Enfrentamento à Covid-19 nas aldeias, desenvolvido pelo Subprograma Territórios Indígenas do REM MT. Os outros eixos do Subprograma são: “Segurança Alimentar”, “Barreiras Sanitárias” e “Incêndios Florestais". Para este ano, a previsão é que o REM MT invista R$ 13, 9 milhões nessas ações voltadas para a defesa dos territórios - condição entendida pela coordenação geral do Programa como essencial na estratégia de sobrevivência dos povos indígenas, e consequentemente na preservação da floresta.

 

Sobre o programa REM

O Programa REM remunera e premia o esforço de mitigação das mudanças climáticas de pioneiros do REDD+ (Early Movers) a nível estadual, subnacional ou nacional, pretendendo fomentar o desenvolvimento sustentável, e gerar aprendizados até que um mecanismo global de REDD+ seja operacional. O principal objetivo do programa é a valorização da floresta em pé. O REM segue todos os princípios e critérios da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC, na sigla em inglês), na qual não ocorre transferência de créditos de carbono.

O contrato do REM Mato Grosso prevê recursos na ordem de 44 milhões de euros do governo da Alemanha por meio do Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW), e o governo do Reino Unido, por meio do Departamento Britânico para Energia e Estratégia Industrial (BEIS).

Os recursos do Programa estão distribuídos da seguinte maneira: 60% para os subprogramas de agricultura familiar, povos e comunidades tradicionais na Amazônia, Cerrado e Pantanal; territórios indígenas; e produção sustentável, inovação e mercados. Os demais 40% são destinados ao fortalecimento institucional de entidades governamentais do Estado e na aplicação e desenvolvimento de políticas públicas estruturantes.

 

Vejas mais fotos:

 

 

 

 

 O projeto foi elaborado pela Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso, dentro do Plano Emergencial de Enfrentamento à Covid-19 do Programa REM MT 

Por Marcio Camilo
Assessoria REM MT

A Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT) desenvolveu um plano de comunicação para combater a disseminação de fakes news contra a vacinação da Covid-19 nas aldeias. O plano foi apresentado ao Programa REM MT nesta quinta-feira (25) e contou com a presença de outros atores envolvidos no processo, como o Instituto Centro de Vida (ICV), que auxilia a entidade indígena nos trabalhos.

A comunicação, protagonizada pelos próprios indígenas, é um dos eixos do Plano Emergencial de Enfrentamento à Covid-19, desenvolvido em conjunto pelo Subprograma Territórios Indígenas do REM Mato Grosso e a FEPOIMT. Os outros eixos são “Segurança Alimentar”, “Barreiras Sanitárias” e “Incêndios Florestais". Para este ano, a previsão é que o REM MT invista R$ 13, 9 milhões nessas ações voltadas para a defesa dos territórios - condição entendida pela coordenação geral do Programa como essencial na estratégia de sobrevivência dos povos indígenas, e consequentemente na preservação da floresta.

O Plano de Comunicação da FEPOIMT começa a ser executado a partir de março com uma série de lives envolvendo três temas centrais: prevenção e vacinação à Covid-19; combate ao racismo; e a defesa dos territórios em tempos de pandemia. Também dão suporte ao plano a Consultoria Internacional (Gopa) e Agência de Comunicação Matiz Caboclo. 

Cristian Wairu Tseremeya, da etnia Xavante, é o coordenador do Plano de Comunicação. Ele observa que o plano, inicialmente, foi concebido em um contexto em que ainda não havia vacinação. Agora, com a chegada das primeiras doses, a FEPOIMT percebeu a circulação de fake news em grupos de WhatsApp dos indígenas, que tem espalhado nos territórios desinformação e gerado receios sobre a vacinação. 

“Hoje a gente já percebe um segundo momento da pandemia com a chegada das vacinas. E esse momento é acompanhado de muito ruído por parte das fake news que estão desestimulando a vacinação. A partir disso, a gente ajustou o projeto para pensar em estratégias de contrainformação, para combater essas mentiras e pedir para que os indígenas busquem se vacinar”, explica a liderança Xavante. 

Ele ressalta que uma rede de jovens comunicadores - Guerreiros virtuais, formada pela FEPOIMT - atuará na base, nos sete polos regionais de abrangência da entidade - para que as informações cheguem “no chão da aldeia”, circulando dentro dos grupos de WhatsApp das comunidades. O aplicativo, conforme Wairu, tem sido uma das principais formas de comunicação dos indígenas.

Elidia Takiro Peruare, de 64 anos, foi a primeira indígena vacinada contra a Covid-19 em Mato Grosso - Foto por: Christiano Antonucci | Secom

“Os materiais vão ser produzidos por nós, FEPOIMT, e esses comunicadores irão levar essas postagens às comunidades indígenas de Mato Grosso ao mesmo tempo que eles também nos fornecerão informações vindas das bases”, detalha a liderança Xavante. As sete regiões de atuação da FEPOIMT são: Cerrado/Pantanal, Kayapó Norte, Médio Araguaia, Noroeste, Xavante, Vale do Guaporé e Xingu. Ao todo  a entidade representa 43 povos indígenas no estado.

Para o coordenador do Subprograma dos Territórios Indígenas do REM MT, Marcos Ferreira, nada melhor do que os próprios indígenas falarem sobre as suas demandas. “É fazer chegar no chão da terra, lá na aldeia, a vontade dos indígenas, para os indígenas. E ninguém melhor do que a própria FEPOIMT para saber da necessidade dos povos tradicionais. Nesse sentido, uma comunicação construída por eles se torna estratégica”, reforça.

Um dos produtos já previstos dentro do Plano, por exemplo, são quatro animações sobre o Programa REM MT. A ideia é contar como o Subprograma Territórios Indígenas já beneficiou as comunidades por meio do Plano Emergencial de Enfrentamento à Covid-19 nas aldeias. As animações também irão abordar sobre a importância das etnias de se vacinarem contra o vírus. 

De acordo com Deroní Mendes, coordenadora do Programa Direitos Socioambientais do Instituto Centro e Vida (ICV), esse é o primeiro grande plano de comunicação da FEPOIMT. Ele traz uma série de ações que pensam a comunicação numa perspectiva macro, como a estruturação das redes sociais e atualização constante desses canais e a construção de um website para divulgação de notícias nos mais diferentes formatos (texto, vídeo, áudio e imagens).

Deroní destaca que essa variedade é importante por causa da diversidade cultural que há entre os 43 povos indígenas no estado, pois dependendo do tipo de comunicação, da linguagem, a mensagem pode funcionar melhor em algumas etnias e em outras não. Por isso, dependendo da necessidade, o plano também prevê produtos nos idiomas dos indígenas. 

Num primeiro momento a preocupação ainda é com a pandemia do novo coronavírus. Mas Deroní destaca que o plano vai muito além e trata-se de uma “coluna vertebral” para o fortalecimento institucional da FEPOIMT como ator político na defesa dos direitos dos povos indígenas em todo estado”. 

“É a FEPOIMT sendo protagonista da sua própria história. Isso perpassa por eles mesmos pensarem a comunicação. Esse plano tem como objetivo fazer a Fepoimt chegar lá nas bases, sem ir presencialmente. Chegando em cada um dos 43 povos de diversas formas: no podcast, lives no facebook, peças de WhatsApp, no Instagram... É a Fepoimt usando a comunicação na defesa dos direitos dos povos indígenas de Mato Grosso”, entende Deroní. 

Sobre o programa REM

O Programa REM remunera e premia o esforço de mitigação das mudanças climáticas de pioneiros do REDD+ (Early Movers) a nível estadual, subnacional ou nacional, pretendendo fomentar o desenvolvimento sustentável, e gerar aprendizados até que um mecanismo global de REDD+ seja operacional. O principal objetivo do programa é a valorização da floresta em pé. O REM segue todos os princípios e critérios da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC, na sigla em inglês), na qual não ocorre transferência de créditos de carbono.

O contrato do REM Mato Grosso prevê recursos na ordem de 44 milhões de euros do governo da Alemanha por meio do Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW), e o governo do Reino Unido, por meio do Departamento Britânico para Energia e Estratégia Industrial (BEIS).

Os recursos do Programa estão distribuídos da seguinte maneira: 60% para os subprogramas de agricultura familiar, povos e comunidades tradicionais na Amazônia, Cerrado e Pantanal; territórios indígenas; e produção sustentável, inovação e mercados. Os demais 40% são destinados ao fortalecimento institucional de entidades governamentais do Estado e na aplicação e desenvolvimento de políticas públicas estruturantes.

O Subprograma de Territórios Indígenas, coordenado pelo Programa REM Mato Grosso,  com apoio da Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT), busca valorizar o modo de vida tradicional e sustentável dos povos indígenas. Ele garante estrutura para que os recursos do REM MT possam integrar, articular e fortalecer as contribuições dos povos para a adaptação às mudanças do clima com base em seus sistemas de conhecimento tradicional e de gestão autossustentável de recursos naturais. Devido da pandemia da COVID-19, o Subprograma voltou atenção para o apoio emergencial aos territórios indígenas.

É orientado pelos seguintes temas prioritários:

  • Fortalecimento Institucional
  • Sustentabilidade e Meio Ambiente
  • Fortalecimento Sociocultural
  • Vigilância e Monitoramento dos Territórios Indígenas
  • Produção e Coleta para Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional
  • Gestão Territorial em Terras Indígenas
  • Mulheres Indígenas, Equidade e Gênero
  • Infraestrutura nas Aldeias

Seus principais objetivos são:

  • Garantir condições para que os povos indígenas de Mato Grosso sejam protagonistas em suas contribuições para o alcance dos objetivos do Programa REM MT na mitigação de mudanças do clima, por meio do apoio a ações e projetos de redução de emissões do desmatamento e degradação florestal ou de conservação e recuperação dos estoques de carbono e dos demais serviços ambientais;
  • Identificar, promover e garantir os direitos originários de cada povo indígena, analisando se esses direitos já estão na Constituição brasileira, fortalecendo as comunidades e organizações indígenas para que elas identifiquem e fomentem suas potencialidades tradicionais e contemporâneas, promovendo o bem-estar coletivo e respeitando as especificidades e a autonomia de cada povo;
  • Proteger e fortalecer os patrimônios indígenas (materiais e imateriais), os valores culturais e espirituais, o conhecimento tradicional, os sistemas e práticas de gestão de recursos naturais e econômicos, ocupações e modos de vida, a infraestrutura nas aldeias, bem como suas organizações sociais próprias e seu bem-estar social;
  • Fortalecer, empoderar e garantir financiamento às organizações representativas dos povos indígenas para seu envolvimento contínuo e participação efetiva no desenho e implementação de políticas municipais, estaduais, nacionais e internacionais que possam vir a afetá-los;
  • Aumentar a representatividade por meio da qualificação para as atuações de lideranças tradicionais e de organizações e associações de mulheres e jovens indígenas, criando oportunidades para a integração harmônica entre mulheres e homens e entre gerações, para a melhoria de sua qualidade de vida e para a constituição plural do movimento indígena

Notícias