Logo Governo MT

Os embaixadores da Finlândia e da União Europeia no Brasil, Jouko Leinonen (Finlândia) e Ignacio Ybáñez (União Europeia), se mostraram satisfeitos com o investimentos que vem sendo feito nas políticas ambientais de Mato Grosso, em especial no âmbito do combate ao desmatamento ilegal. As autoridades cumpriram uma extensa agenda na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), nesta segunda e terça-feira (22/03), onde tiveram a oportunidade de conhecer os resultados do Programa REM MT (do inglês, REDD para Pioneiros) ao longo de três anos de execução no Estado.

Um dos pontos altos do encontro foi a apresentação dos resultados do programa no apoio à agricultura familiar, povos e comunidades tradicionais, tais quais os 38 milhões em investimentos junto aos beneficiários e o apoio a coleta de 6 toneladas de sementes de produtos florestais não madeireiros. 

“São 23 projetos socioambientais que ajudam a manter a floresta em pé e geram renda para quem mais precisa. Até o momento, são mais de 8 mil famílias beneficiadas em diferentes regiões do Estado, nos biomas Amazônia, Pantanal e Cerrado. No total, os investimentos no setor já alcançaram mais de R$ 38 milhões”, destacou Lígia Mendes, coordenadora do REM MT.

 
Lígia Mendes, coordenadora do REM MT


Mudança de lógica

Na tocante ao combate aos desmatamento ilegal, Lígia ressaltou que houve uma mudança de lógica no trabalho que era desenvolvido, a partir dos investimentos do Programa REM MT, principalmente na aquisição de satélites de monitoramento em tempo real. 

“Antes, a gente corria atrás do prejuízo. Pois, muitas vezes que chegávamos ao local, o desmatamento já havia ocorrido. Mas, nos últimos anos, a gente consegue detectar o desmate a partir de um hectare. Com isso, conseguimos evitar um estrago maior e autuar os infratores em flagrante”, ressaltou a coordenadora aos embaixadores. 

Ela também destacou ações de saúde e segurança alimentar que beneficiaram cerca de 50 mil indígenas em todo estado, além das soluções tecnológicas para tornar mais sustentável a produção de commodities em Mato Grosso, nas áreas de produção de soja, pecuária e manejo florestal. 

“Essa ações são realizadas por meio de quatro Subprogramas do REM MT: Fortalecimento Institucional (FIPPE); Produção, Inovação e Mercado Sustentáveis (PIMS), Povos Indígenas (STI) e Agricultura Familiar de Comunidades e Povos Tradicionais (AFPCT)”, acrescentou Lígia. 

Orgulho

A secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, que esteve presente na reunião, destacou que o REM MT é uma das políticas públicas mais importantes do Estado, no combate ao desmatamento ilegal e produção sustentável em Mato Grosso. 

“Estamos muito satisfeitos com os resultados do REM MT obtidos até aqui. Principalmente se levarmos em conta que enfrentamos dois anos de pandemia. Então, são ações que nos dão orgulho e fazem Mato Grosso ser referência nacional na implementação do Programa”, disse a gestora.


Secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti. Crédito: REM MT

Carbono neutro 

Ela acrescentou que o Estado fomenta iniciativas de desenvolvimento sustentável para alcançar a meta de neutralização das emissões de carbono e que estrutura medidas para consorciar a preservação da biodiversidade e a produção de alimentos para o mundo, junto ao setor produtivo. São ações que já ocorrem no Estado, como atividades produtivas que mantêm a floresta em pé, como o manejo florestal, a gestão de áreas protegidas, a redução do risco de incêndios, e a produção agropecuária sem desmate com a integração lavoura-pecuária-floresta. 

O diretor do Instituto Produzir, Conservar e Incluir, Fernando Sampaio, por sua vez, destacou que a atuação do instituto é um dos instrumentos do Estado para auxiliar a implementar a descarbonização. "A estratégia PCI fomenta o desenvolvimento sustentável através do uso racional da terra, com o objetivo de ampliar a pecuária conservando os ativos ambientais que temos". 

Sobre o REM MT, ele disse que o Programa “é importante por demonstrar que o Estado tem um Sistema de REDD [Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal] que funciona, com governança participativa, monitoramento e salvaguardas”.


Diretor-presidente da PCI, Fernando Sampaio. Crédito: REM MT

Oportunidades

Os embaixadores também gostaram do que viram. Ignacio Ybáñez, da União Europeia, avalia que Mato Grosso está no caminho certo, no enfrentamento ao desmatamento ilegal. 

“Vejo que esse é o grande desafio, não só do Estado, mas do país como um todo. Então, é importante para nós, vermos como esse trabalho é feito de perto, para também propormos novas parcerias com Mato Grosso”, enfatizou. 


Embaixador da União Europeia, Ignácio Ybáñez, cumprimenta a secretária Mauren Lazzaretti. Crédito: REM MT

Já o embaixador da Finlândia, Jouko Leinonen, viu na apresentação a possibilidade de novas parcerias com o Estado, principalmente na agricultura familiar.

“Penso que podemos contribuir muito na área de bioeconomia, para ajudar ainda mais na geração de renda aos pequenos agricultores, principalmente com soluções tecnológicas de rastreio e diagnóstico dessas áreas”, destacou. 


Embaixador da Finlândia, Jouko Leinonen. Crédito: REM MT

Nos encontros, os embaixadores ainda assistiram as apresentações do Programa Carbono Neutro MT, feita pela secretária da Sema; as parceiras de produção sustentável com setor privado, a partir da estratégia do Instituto Produzir, Conservar e Incluir (PCI); além da "Contribuição da Pecuária na Produção Sustentável do Estado" - apresentação feita pelo presidente do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), Caio Penido. 

Também participaram do evento o representante da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) para o Brasil e a Venezuela, Clovis Zapata; o representante da Federação das Indústrias (Fiemt), Alvaro Leite; e o presidente Pro Natura Internacional, Marcelo de Andrade.

Agenda

Nesta terça (22), a agenda dos embaixadores segue com uma reunião com o governador Mauro Mendes, no Palácio Paiaguás, no Centro Político e Administrativo de Cuiabá. Eles também se encontram com representantes da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec). Já na quarta (23), os embaixadores se reúnem com a reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

Por Márcio Camilo / REM MT

Representantes dos EUA, Alemanha, Reino Unido e União Europeia foram recebidos pelo governador Mauro Mendes

O trabalho do Governo de Mato Grosso para produzir de forma sustentável e combater os crimes ambientais foi destacada por embaixadores dos EUA e da Europa, que se reuniram com o governador Mauro Mendes nesta segunda-feira (07.06).

O chefe do Executivo recebeu no Palácio Paiaguás os embaixadores Todd C. Chapman (EUA), Heiko Thoms (Alemanha), Peter Wilson (Reino Unido) e Ignácio Ybanez Rubio (União Europeia). Também estiveram presentes os secretários de Estado Mauro Carvalho (Casa Civil), César Miranda (Desenvolvimento Econômico), Mauren Lazzaretti (Meio Ambiente), Rogério Gallo (Fazenda) e Silvano Amaral (Agricultura Familiar).

Na ocasião, o governador apresentou as potencialidades econômicas e ambientais do Estado, ressaltando que Mato Grosso é o maior produtor de alimentos do país e consegue manter 62% do território totalmente preservado, tendo mantido o compromisso de desmatamento abaixo de 1.788 km² anuais, em cumprimento ao acordo firmado na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP23) em 2017.


O governador Mauro Mendes e o embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman - Foto por: Mayke Toscano/Secom-MT

“Nós temos uma consciência muito clara da importância que o meio ambiente tem para nós. Muito mais do que a imagem que precisamos ter perante os consumidores daquilo que produzimos, entendemos que a sustentabilidade é uma das principais políticas que a humanidade precisa adotar. E aqui em Mato Grosso acreditamos que a preservação já está trazendo benefícios muito grandes. Somos umas das poucas regiões do planeta que produz tantos alimentos, e preservando. Temos o dever de preservar, e esse é um interesse comum das nações”, afirmou Mauro Mendes, ao citar que o desmatamento ilegal reduziu 85% na média histórica de 2004 a 2020.

De acordo com o embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Wilson, o governador demonstrou que hoje Mato Grosso “valoriza a sustentabilidade”.

“Já temos empresas que investem aqui e também queremos investir em desenvolvimento sustentável, em parceria com o Estado. O programa REM é muito importante, porque é um valor que vai diretamente aos produtores parceiros”, declarou, ao mencionar o programa que recebe financiamento de outros países para auxiliar na conservação ambiental e redução do desmatamento ilegal.

O embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman, afirmou estar “impressionado” com o trabalho desempenhado pelo Governo de Mato Grosso.

“Mato Grosso é um estado muito produtivo, mas ao mesmo tempo dá muita atenção ao meio ambiente. Esse modelo sustentável de investir é uma grande prioridade. Temos projetos bilaterais que os EUA e os outros países estão desenvolvendo com Mato Grosso, que são de extrema importância, porque temos que proteger o meio ambiente para as futuras gerações”, destacou.

De igual forma, o embaixador da União Européia no Brasil, Ignácio Ybanez Rubio, falou sobre os projetos do Estado no âmbito da sustentabilidade, envolvendo a parte econômica, social e ambiental.

“Tivemos uma ótima conversa com o governador e queremos fazer parcerias. A primeira visão foi positiva, porque o governador tem compromisso de lutar contra o desmatamento ilegal e mostrou que há trabalho para fiscalizar e punir quem comete o desmatamento ilegal. Hoje o mercado que compra carne, soja, madeiras e outros tipos de produtos sempre querem saber a origem, e precisamos assegurar que não há desmatamento ou atividade ilegal envolvida”, pontuou.

Quatro embaixadores se reuniram na Sema-MT para conhecer a política ambiental do Estado


O embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Wilson, avaliou o sistema de monitoramento por satélite utilizado por Mato Grosso para prevenir e combater o desmatamento ilegal e os incêndios florestais como "impressionante", durante visita de uma comitiva de embaixadores à sede da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), na tarde desta segunda-feira (08.06).

"Hoje eu tive a oportunidade de ver com meus próprios olhos um sistema que funciona muito bem, com precisão, e também pude ver a maneira como os operadores usam essas informações para contatar os proprietários para parar o desmatamento ilegal. O sistema de verificação é muito impressionante", avalia o embaixador.

A plataforma permite o monitoramento praticamente em tempo real de todo o território mato-grossense, com alertas de desmatamento. Além disso, para frear o desmate ainda no início, os infratores são notificados por e-mail e telefone, e também são enviadas equipes direto ao local para impedir o avanço do crime ambiental. A ferramenta é financiada pelo Programa REM MT.


Embaixadores visitam Sema e sistema de monitoramento por satélite de Mato Grosso. Créditos: Tchélo Figueiredo - SECOM - MT


Na ocasião, a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, apresentou aos embaixadores Todd C. Chapman (EUA), Heiko Thoms (Alemanha), Peter Wilson (Reino Unido) e Ignácio Ybanez Rubio (União Europeia), o trabalho de Mato Grosso para alavancar a regularização ambiental e o Cadastro Ambiental Rural como estratégia para preservar o meio ambiente.

Também foi mostrado o enfrentamento aos crimes ambientais por meio do Plano de Ação de Combate ao Desmatamento Ilegal e Incêndios Florestais 2021, que prevê investimentos de R$73 milhões neste ano.

"Mato Grosso tem uma forte política pública ambiental, temos sido considerados exemplo de como conciliar produção e conservação dos recursos naturais, estratégia forte de combate aos crimes ambientais, e ao mesmo tempo, de aplicação das normas brasileiras", conta a gestora.

O combate ao crime ambiental em Mato Grosso tem demonstrado aos infratores que o crime não compensa. "Deflagramos mais uma etapa da Operação Amazônia, e colocamos mais 100 servidores em campo para fiscalizar, apreender maquinários para desaparelhar infratores, e multar quem insiste em promover o desmate ilegal. A meta de Mato Grosso é o desmatamento ilegal zero", afirma.


A coordenadora do Programa REM MT, Lígia Vendramin, apresentou às autoridades os investimentos e projetos que além de apoiar iniciativas de preservação do meio ambiente, promovem a agricultura familiar de povos e comunidades tradicionais e indígenas.

O papel e as iniciativas de bioeconomia em Mato Grosso foi apresentado pela assessora de Relações Internacionais, Rita Chiletto, com destaque para a valorização dos produtos da floresta como frutas, óleos essenciais, entre outros, que contribuem com a preservação com impacto econômico e social positivo nas comunidades.

Fernando Sampaio, diretor executivo da Estratégia Produzir Conservar e Incluir (PCI), mostrou a captação de recursos e de uma rede de parceiros institucionais, que investem e colaboram para a expansão e aumento da eficiência da produção agropecuária e florestal sustentável, e a contribuição para a conservação da vegetação nativa e da economia de baixo carbono.

Também estiveram presentes o secretário Executivo da Sema, Alex Marega; adjunta de Gestão Ambiental, Luciane Bertinatto Copetti; de Licenciamento Ambiental e Recursos Hídricos, Lilian Ferreira dos Santos; de Administração Sistêmica, Valdinei Valério da Silva, entre superintendentes e coordenadores da Sema.

Sobre o Programa REM MT

O Programa REM MT (do inglês, REDD para Pioneiros) é uma premiação ao Estado do Mato Grosso pelos resultados na redução do desmatamento nos últimos 10 anos. A cooperação internacional dos governos do Reino Unido e da Alemanha doam recursos por meio do BEIS e do Banco de Desenvolvimento Alemão (KfW) para o Programa que aplica em ações de conservação da floresta a fim de reduzir emissões de CO2 no planeta. Para isso, beneficia diretamente iniciativas que contribuem para reduzir o desmatamento, estimular a agricultura de baixo carbono e apoiar povos indígenas e comunidades tradicionais.

É coordenado pelo Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), e gerenciado financeiramente pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO).

Embaixadores dos Estados Unidos e da Europa avaliaram como positivo a aplicação dos recursos do Programa REM Mato Grosso em ações de combate ao desmatamento ilegal e preservação das florestas do Estado (Amazônia, Pantanal e Cerrado).

Todd C. Chapman (EUA), Heiko Thoms (Alemanha), Peter Wilson (Reino Unido) e Ignácio Ybanez Rubio (União Europeia) estão em Cuiabá, desde segunda-feira (07) para conhecer uma série de ações que tem tornado o Governo de Mato Grosso referência no combate ao desmatamento da floresta amazônica e produção sustentável.

“Estou orgulhoso com a parceria que temos aqui”, resumiu o embaixador alemão, Heiko Thoms. O governo do país dele, juntamente com o Reio Unido, financia o programa REM MT, que é executado pela Secretária de Estado do Meio Ambiente (Sema-MT), em parceria com o Fundo Brasileiro para a biodiversidade (FUNBIO).


Embaixador Alemão (à direita) posa em foto com a secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, e o embaixador do Reio Unido, Peter Wilson. Foto: Marcio Camilo/REM MT

 

Thoms e dos demais embaixadores conheceram em detalhes as ações do REM MT – e de outras políticas estruturantes de preservação da floresta – na tarde desta segunda, durante apresentação no auditório da Sema-MT, no Centro Político-Administrativo de Cuiabá.

O que mais chamou atenção do embaixador alemão foi que Governo do Estado tem encontrado mecanismos para frear o desmatamento na Amazônia. Prova disso é que os índices de alerta diminuíram em mais de 20% nos últimos 10 meses, na parte da floresta amazônica que fica em Mato Grosso. “Os resultados são bons e mostram que o trabalho é feito várias em frentes. Pelo que foi apresentado, a tendência é que o desmatamento continue sob controle”, avalia.

A coordenadora do REM MT, Lígia Vendramin, explicou que 60% dos recursos do programa são aplicados diretamente na base, em projetos para fortalecer a agricultura familiar, comunidades tradicionais, como os quilombolas, e apoiar a autonomia dos povos indígenas de Mato Grosso, em áreas como saúde, segurança alimentar, combate aos incêndios florestais e enfretamento da pandemia de Covid-19. Só na Agricultura Familiar os investimentos são na ordem de R$ 32,1 milhão; enquanto que nos Territórios Indígenas, cerca de R$ 14 milhões.

Já o restante dos recursos do programa [40%], conforme Lígia, “são destinados para fortalecer as políticas públicas estruturantes do estado no combate ao desmatamento”.  Essas ações foram destacadas pela secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.


Coordenadora do REM MT, Lígia Vendramin, apresenta ações do programa aos embaixadores dos EUA e da Europa. Foto: Tchelo Figueiredo/SecomMT

 

Ela detalhou que o Governo do Estado teve a preocupação de estruturar em várias frentes a gestão da Sema no combate ao desmatamento, principalmente da região amazônica. Um dos braços fortes nesse sentido é a fiscalização e repressão dos crimes ambientais por meio de monitoramento via satélite de alta tecnologia adquirido pelo REM MT, bem como apreensão de maquinários utilizados no desmatamento ilegal, como forma de descapitalizar os infratores.

“Nós últimos anos já foram mais de R$ 2 bilhões em ações contra essas pessoas que cometem crimes ambientais”, ressaltou a gestora durante apresentação aos embaixadores.

Para Peter Wilson, embaixador do Reino Unido, o REM MT faz algo fundamental que é diminuir a burocracia, com a chegada de recursos na ponta, direto aos agricultores familiares.

Ele pode presenciar isso de perto em uma vista durante o final de semana em Alta Floresta (a 791 km de Cuiabá), quando conheceu a plantação de mil pés de café orgânico no sítio do pequeno produtor Adeildo Antônio Sopeletto. O projeto é financiado pelo REM MT. Veja a matéria AQUI.

“Penso que o programa do REM é muito importante porque as fazendas, eles mesmos decidem como fazer [aplicar os recursos]. É necessário ter ajuda, capacitação [dos órgãos do estado], mas evitar a burocracia. É isso que o REM faz muito bem”, ressaltou o britânico.


Secretária Mauren apresenta aos embaixadores ações da Sema de combate ao desmatamento ilegal /Tchelo Figueiredo-SecomMT


Após a reunião com autoridades da Sema, os embaixadores também tiveram a oportunidade de conhecer a Sala de Situação da secretaria que monitora via satélite toda cobertura vegetal de Mato Grosso.

“Com a alta tecnologia, aliado ao trabalho integrado das equipes de fiscalização da Sema, o Governo tem reprimido de forma ágil e eficaz o desmatamento ilegal. Na história de Mato Grosso isso nunca aconteceu com tanta eficiência como agora”, enfatizou Mauren, a secretária da Sema.

A visita dos cinco embaixadores a Mato Grosso segue pela manhã desta terça-feira (08). Dessa vez eles irão se reunir com ONGs, organizações da sociedade civil, movimentos indígenas e sociais voltados à preservação ambiental.

Parceiros

Image
Image
Image
Image
Image
Image