Logo Governo MT

SISTEMAS INTEGRADOS: Evento mostra produção sustentável envolvendo soja, algodão e pecuária

Experiência em fazenda em Rondonópolis está inserida nos projetos do Programa REM Mato Grosso, que visão tanto o uso eficiente dos recursos naturais quanto à redução da pressão por desmatamento das florestais mato-grossense

Marcio Camilo / Comunicação REM MT

Soja, algodão e pecuária convivendo em harmonia e de forma sustentável num mesmo lugar. É isso que será mostrado no próximo 12 de junho no Dia de Campo Online: Sistemas Sustentáveis de Produção, na fazenda Guarita, zona rural de Rondonópolis.

O projeto de Sistemas Integrados de Pastagens e Culturas Agrícolas (PISA) está inserido no eixo Inovação das cadeias de commodities do subprograma Produção, Inovação e Mercado Sustentáveis (PIMS) do Programa REM Mato Grosso (do inglês, REDD para Pioneiros).

De acordo com o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária, Edicarlos Damacena de Souza, a ideia é mostrar aos produtores que é possível unir lavoura e pecuária para produzir com sustentabilidade e de maneira rentável. Aliando deste modo, a questão ambiental e econômica.

“Se nós conseguimos intensificar uma área de produção, que geralmente são áreas de pastagens degradadas. Se a gente consegue que essa área seja produtiva, a gente consegue produzir mais alimentos com a mesma unidade de área já aberta”, destaca.

O especialista detalha que a área degradada é intensificada por meio de dois sistemas: o de integração de pastagem com lavoura (PISA) e o de Pastoreio Rotatínuo

Primeiramente, no PISA, a lógica é fortalecer solos fragilizados que sofreram com a monocultura. Trata-se do manejo correto do pastoreio, como forma de incrementar a matéria orgânica do solo, o sequestro de carbono, bem como reduzir e mitigar as emissões dos efeitos dos gases estufas.

Já o segundo, o Pastoreio Rotatínuo, é levando em consideração o comportamento ingestivo dos animais. “A cada bocada que a animal der, a gente quer que ele capte o máximo de alimentos com qualidade. Nós queremos otimizar o tempo de pastejo. E com isso, nós fazemos com que o animal produza mais e emita menos metano para produção desse alimento”, explica Edicarlos.

Ele ressalta que com essas duas tecnologias [sistemas integrados e pastoreio rotatínuo], os produtores do estado conseguem ter mais sucesso na produção: “colocar uma cultura que é extremamente exigente, que é o algodão, nos sistemas integrados permite produzir essa commodities agrícola em solo arenoso. Esse é o mais importante, porque muito das nossas pastagens em Mato Grosso são degradadas. Então são alternativas para melhorar a produção nessas áreas”, reforça.

 
As tecnologias são desenvolvidas no Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) em parceria com associação público-privada SIPA, que envolve as universidades federais do Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso (campus Rondonópolis). As ações contam com financiamento do REM MT – programa executado pelo Governo de Mato Grosso que conta com recursos dos governos da Alemanha e Reino Unido que premiam países e estados que combatem o desmatamento da floresta, com a consequente redução das emissões de CO2 no planeta.

Esta iniciativa é apoiada pelo subprograma "Produção, Inovação e Mercado Sustentáveis - PIMS" (que envolve as commodities de carne, soja e madeira tropical), que dentre os principais objetivos busca apoiar a adequação produtiva, com promoção da eficiência no uso de recursos naturais e redução da pressão por desmatamento, demonstrando a viabilidade técnica e financeira da adoção de boas práticas; além de apoiar a inovação através de atividades que permitam a difusão de novas tecnologias nas regiões alvo do programa, a fim de melhorar a eficiência produtiva de forma a reduzir a pressão por abertura de novas áreas e o uso de insumos e defensivos.

O Dia do Campo online terá como modelo a fazenda Guarita, em Rondonópolis, que é a unidade de excelência em difusão do projeto, no qual as tecnologias estão sendo colocadas em prática. “No evento do dia 12 a gente vai fazer uma parte ao vivo, e, a outra parte, com as gravações que foram realizadas no campo. Nós vamos transmitir evento da universidade [Federal de Mato Grosso em Rondonópolis]”, detalha Edicarlos.

O evento também contará com gravações na unidade de excelência em pesquisa do IMAmt, em Rondonópolis.

As inscrições para participar do Dia de Campo online podem ser realizadas AQUI  

Confira a programação completado evento:



 

Avalie esse item
(0 votes)

Notícias